Praias de São Luís: 11 pontos voltam a ter condições próprias para banho

Publicado em

Após 11 semanas, a orla da Região Metropolitana de São Luís voltou a ter pontos com condições próprias para banho. Ao todo, 11 pontos de seis praias de São Luís e da vizinha São José de Ribamar passaram a apresentar condições adequadas para banho.

Após 11 semanas, praias de São Luís e São José de Ribamar voltaram a ter pontos com condições próprias para banho
Após 11 semanas, praias de São Luís e São José de Ribamar voltaram a ter pontos com condições próprias para banho

É o que mostra a mais recente nota técnica sobre monitoramento das condições de balneabilidade da Secretaria de Estado do Meio Ambiente e Recursos Naturais (Sema) do Maranhão, publicada essa quarta-feira (7). O documento é resultante de laudos emitidos pelo Laboratório de Análises Ambientais (LAA), da própria secretaria, e que leva em consideração os padrões fixados na resolução Conama nº 274/00.

O monitoramento foi realizado, segundo a Sema, entre 7 de maio e 4 de junho de 2017. Desde 21 de março de 2017, o número de pontos impróprios superava o de pontos próprios, segundo a apuração do Blog do Maurício Arayaveja a evolução semana a semana.

Dos 21 pontos monitorados nas praias da Ponta d’Areia, de São Marcos, do Calhau, do Olho-d’Água, do Meio e do Araçagi, 11 alcançaram padrões de condições próprias para banho.

São eles: em frente a Praça de Apoio ao Banhista; em frente aos bares do Chef e Marlene’s; em frente a barraca da Marcela; em frente ao Agrupamento Batalhão do Mar; em frente a Pousada Tambaú; em frente ao bar Malibu; à direita da Elevatória Pimenta I; em frente ao bar do Capiau; em frente ao bar da Praia; em frente ao Fátima’s Bar; e em frente ao bar do Isaac – veja em mapa interativo.

A Sema não divulgou que ações levaram à melhoria das condições de banho das praias de São Luís.

Quase todas das praias seguem impróprias para banho em São Luís

Publicado em

Quase todas das praias seguem impróprias para banho na orla da Região Metropolitana de São Luís, e parece que a balneabilidade deixou de ser prioridade para o governo do Maranhão, ainda que para a publicidade oficial. Por três semanas consecutivas, o cenário é o mesmo: 20 pontos impróprios contra apenas um em condições adequadas para banho – na praia do Calhau, trecho à direita da elevatória II da Companhia de Saneamento Ambiental do Maranhão (Caema).

Quase 100% das praias seguem impróprias para banho em São Luís
Quase 100% das praias seguem impróprias para banho em São Luís (Foto: Gilson Teixeira/Secap/Governo do Maranhão/Arquivo)

A nota técnica mais recente foi publicada pela Secretaria de Estado do Meio Ambiente e Recursos Naturais (Sema) nesta quinta-feira (18). O documento, elaborado a parir de laudos laboratoriais emitidos pelo Laboratório de Análises Ambientais (LAA), é referente ao monitoramento realizado no período de 16 de abril e 14 de maio de 2017.

Há nove semanas, o número de pontos impróprios superou o de própriosveja a evolução no gráfico acima – e, desde então, se mantém sem que haja ações para reverter o quadro.

O mapa interativo das condições de banho das praias em 21 pontos distribuídos nas praias da Região Metropolitana de São Luís você encontra, sempre atualizado no Blog do Maurício Araya.

O monitoramento da balneabilidade nos 21 pontos da orla – Ponta d’Areia, São Marcos, Calhau, Olho-d’Água, Praia do Meio e Araçagi – obedece a padrões fixados na Resolução Conama nº 274/00.

As águas das praias são consideradas próprias, quando em 80% ou mais de um conjunto de amostras, obtidas em cada uma das cinco semanas anteriores, e colhidas no mesmo local, houver no máximo 100 Enterococos/100 mL.

Já as águas das praias são consideradas impróprias quando não atenderem aos critérios anteriores ou quando o valor obtido na última amostragem for superior a 400 Enterococos/100 mL.

Praias de São Luís têm 100% de pontos impróprios para banho

Publicado em

Provavelmente, pouca gente percebeu. Quem foi às praias de São Luís e São José de Ribamar não foi informado por jornais, rádios ou televisão da grave ameaça à saúde pública a qual estava exposto. Nesse fim de semana, 21 dos 21 pontos – isso mesmo, 100% – em que há monitoramento da qualidade das águas se mostraram impróprios para banho.

Praias de São Luís têm 100% dos pontos impróprios para banho
Praias de São Luís têm 100% dos pontos impróprios para banho (Foto: Divulgação/Secap/Arquivo)

O resultado está na nota técnica sobre o monitoramento das condições de balneabilidade das praias mais recente do Laboratório de Análises Ambientais (LAA), ligado à Secretaria de Estado do Meio Ambiente e Recursos Naturais (Sema). Para o laudo, do dia 30 de março de 2017 e divulgado no dia seguinte, foram considerados os resultados das amostras entre 26 de fevereiro e 26 de março de 2017.

Laudo mostra 100% dos pontos impróprios para banho

O monitoramento, esclarece o próprio documento, obedece aos padrões fixados na resolução Conselho Nacional do Meio Ambiente (Conama) de nº 274/00.

São monitorados 21 pontos das praias de São Luís e São José de Ribamar, distribuídos nas praias da Ponta d’Areia, São Marcos, Calhau, Olho-d’Água, Praia do Meio e Araçagi.

Levantamento feito pelo Blog do Maurício Araya mostra que na última quinzena de março, o número de pontos impróprios para banho só cresceu, chegando a 100% no fim do mês.

Fiscalização nas praias de São Luís: realmente funciona?

Anteriormente, os baixos índices de contaminação das praias em São Luís foram atribuídos pela Sema ao programa Mais Saneamento, do governo do Maranhão, e ao trabalho de fiscalização regular de bares, restaurantes e condomínios próximos às praias.

No último dia 10 de março, o governador do Maranhão, Flávio Dino, comemorou o progresso do trabalho feito, agora ameaçado por novos índices de contaminação da orla.

Há quem pense que nós estamos dizendo que o trabalho está concluído. Não, nós dizemos exatamente o contrário. Todas as semanas o trabalho está em curso e em andamento e o que nós fazemos é anunciar os resultados já obtidos
Flávio Dino, governador do Maranhão

A meta do Mais Saneamento – que conta com orçamento de R$ 350 milhões para construção de Estações de Tratamento de Esgotos (ETEs), de redes coletoras e estações elevatórias – quer aumentar de 4% para 70% o índice de esgoto tratado na capital maranhense até 2018.

Enquanto isso, só resta lamentar o ‘descuido’ com relação às praias da Região Metropolitana de São Luís.

Desemprego alcança 18 mil trabalhadores no Maranhão

Publicado em

Buscar um novo emprego virou realidade para ao menos 18 mil trabalhadores no Maranhão, em 2016. De janeiro a dezembro, o Estado registrou 18.036 demissões líquidas, segundo nota de mercado de trabalho – que leva em consideração dados do Cadastro Geral de Emprego e Desemprego (Caged), do Ministério do Trabalho e Emprego (MTE) – divulgada esta semana pelo Instituto Maranhense de Estudos Socioeconômicos e Cartográficos (Imesc). No ano anterior, o desemprego havia alcançado 15 mil trabalhadores.

Segundo o Imesc, o resultado foi influenciado, principalmente, pela contribuição negativa do setor da construção civil, que registrou o fechamento de 12,4 mil vagas em 2016.

Em 2016 foram 12,4 mil fechamentos de vagas na construção civil, que continua sendo o setor com maior número de desligamentos líquidos ao longo do ano. Esse número, em boa medida, é devido ao fato do nível de emprego das obras de infraestrutura, que apresentou queda de 6,8 mil vagas em 2016, não ter mantido o patamar positivo de 2015, que contou com a abertura de 4,3 mil postos de trabalho
Geilson Pestana, economista do Imesc

Somente no mês de dezembro, foram 4,74 mil demissões líquidas, 2,9 mil demissões comparado a 2015.

Em todo o país, o mercado de trabalho formal fechou 1,32 milhão de postos em 2016, o segundo pior registro da série histórica ajustada, iniciada em 2002, perdendo somente para o fechamento líquido de 1,54 milhão em 2015.

Desemprego em São Luís: capital teve 8,6 mil vagas demissões líquidas em 2016

Região Metropolitana de São Luís e os municípios que formam o traçado da Estrada de Ferro Carajás (EFC) foram as que registraram maior número de demissões.

De acordo com a nota do Imesc, entre as cidades com maiores saldos negativos no acumulado de 2016, estão: São Luís (-8,6 mil vagas de emprego) – onde as demissões líquidas sofreram influência, principalmente, da atividade de construção de edifícios e montagem de instalações industriais e de estruturas metálicas –, Açailândia (-3,6 mil), Santa Inês (-820), Paço do Lumiar (-749) e São José de Ribamar (-717).

Já os municípios que mais criaram postos de empregos formais, estão: Imperatriz (477) – sendo o setor de serviços que mais contribuiu para o saldo positivo do emprego formal no município –, Campestre do Maranhão (122), Bacabeira (112), Paulino Neves (112) e Presidente Dutra (110).

Região Metropolitana de São Luís registra mais de 700 mortes violentas

Publicado em

É como se duas pessoas fossem assassinadas a cada dia; uma média de 60 mortes a cada mês. Em 2016, a Região Metropolitana de São Luís – que, além da capital do Maranhão, inclui os municípios de Raposa, Paço do Lumiar e São José de Ribamar – registrou 742 casos de crimes violentos letais intencionais, nome técnico para as mortes violentas – veja todos os dados em infográficos interativos e orientações de segurança.

Dados da Secretaria de Segurança Pública do Maranhão (SSP-MA) mostram que São Luís concentra a maior parte (mais de 70%) dos casos de homicídios dolosos, roubos seguidos de morte (latrocínios) e lesões corporais seguidas de morte. No período, foram 501 homicídios e 24 casos de latrocínio.

São José de Ribamar, terceira mais populosa cidade do Maranhão, concentra quase 18% dos casos de homicídios na Região Metropolitana. Em 2016, foram 124 casos na cidade. Paço do Lumiar vem em seguida, com 52 homicídios em todo o período.

Em 2015, duas mil mortes violentas foram registradas no Maranhão

Dados do 10º Anuário Brasileiro de Segurança Pública sobre mortes violentas intencionais registradas no Brasil nos anos de 2014 e 2015, publicado pelo Fórum Brasileiro de Segurança Pública (FBSP), mostram que Maranhão viu, nesse período, praticamente todos os índices de violência aumentarem.

Em 2015, foram registradas 2.333 mortes violentas intencionais, uma taxa de 33,8 para cada 100 mil habitantes, acima do índice nacional de 28,6 mortes. É pouco mais de seis mortes por dia. Em 2014, foram registradas 2.158 mortes violentas, 175 a menos que no ano seguinte.

Em 2015, casos de mortes violentas passaram de dois mil em todo o Maranhão
Em 2015, casos de mortes violentas passaram de dois mil em todo o Maranhão

Dos total de crimes letais intencionais, os homicídios dolosos são os que se destacam no anuário: em 2015, foram 2.007; contra 1.902 homicídios dolosos registrados em 2014.

Mistura de ritmos marca São José de Ribamar Jazz e Blues Festival

Publicado em

“Vamos voltar para o Rio com a alma renovada”, comentou o músico Jefferson Gonçalves ao público da terceira edição do São José de Ribamar Jazz e Blues Festival, durante o encerramento da primeira noite de evento, na última sexta-feira (4). A frase, que serviu como um agradecimento do artista ao público, representa o contentamento geral dos artistas que se apresentaram no primeiro dia de shows do festival, realizado na Praça da Basílica, no Centro da cidade balneária.

Misturando blues com referências do folk, pitadas de baião e momentos bem roqueiros, a dupla Jefferson Gonçalves e Kleber Dias abrilhantaram a noite em Ribamar. Com clássicos como ‘All Along Watchtower’, ‘Crossroads’ e ‘Shame, Shame, Shame’, os músicos foram além das canções: colocaram o público para dançar, pular e se jogar ao ritmo da música. Para Jefferson, esta entrega é a parte principal da conquista que o festival tem na cidade.

Ver que este festival está na terceira edição, com uma estrutura muito boa, é nota 10. (…) É essencial formar uma nova plateia. Acho muito importante. Principalmente com essa filosofia de ser aberto ao público. A integração da plateia, dos músicos de fora com os músicos locais , tudo isso é muito importante para as nossas experiências
Jefferson Gonçalves, músico

Segundo Kleber, a recepção do público foi marcante: “foi maravilhoso. Público muito receptivo. Fluiu tudo muito tranquilo. Foi tudo muito para cima. Espero voltar todo ano”, brincou o músico.

A recepção da cidade aos artistas, também, foi elogiada pela cantora mineira Ceumar. “Achei muito especial. Público muito carinhoso, atento. A variedade de bandas, de estilos. Ver essa passeada pelos estilos musicais foi muito interessante”, disse a artista.

Com o pé na MPB, a cantora mineira recebeu vários elogios em sua passagem pelo festival. Ganhando coros em ‘Cantiga’, ‘Dindinha’ e ‘Turbilhão’, Ceumar rompeu o ciclo de saudade com os fãs maranhenses – a última passagem da artista no Maranhão ocorreu em 2010, em São Luís.

Marcus Lussaray e Bruna Marcelly, sua filha
Marcus Lussaray e Bruna Marcelly,
sua filha (Foto: Divulgação)

Abrindo as apresentações da primeira edição do festival, Marcus Lussaray e banda fizeram um belíssimo show musical, indo do instrumental à marcantes regravações. Depois de conquistar a plateia com versões de Miles Davis (‘Tune Up’) e Mike Stern (‘Tipatina’s’), um grande momento do festival veio logo na primeira hora de evento: o guitarrista maranhense chamou a filha, Bruna Marcelly, para dividir os vocais em duas faixas.

Com voz calma e cheia de leveza, Bruna arrancou aplausos do público assim que cantou os primeiros versos. Para Marcus, dividir o show com a filha tem um gosto mais que especial. “Eu estou super emocionado com a interação do público. E estar com a minha própria filha, vendo ela emocionando todo mundo, para mim, foi tudo inesquecível”, revelou o guitarrista.

Marcus Lussaray e quarteto
Marcus Lussaray e quarteto (Foto: Divulgação)

Neuzimar Mandu, escritora de São José de Ribamar, comentou sobre a gratidão em poder assistir mais uma edição do evento – e, de quebra, levar a irmã para o conhecer os estilos que tanto gosta. “Este festival é muito importante, pois traz um resgate da música como importante valor para a cidade e para a cultura local”, afirmou Neuzimar.

Em noite de fortes emoções musicais, Taryn Szpilman encanta no São José de Ribamar Jazz e Blues Festival

Encanto: esta é apenas uma das palavras que representam o que rolou no segundo dia de apresentações do São José de Ribamar Jazz e Blues Festival. O encanto das misturas musicais, das parcerias em cima do palco, dos ritmos em sintonia. Foi difícil encontrar alguém que não saiu encantado da praça.

Uma das responsáveis por este ‘encantamento’ foi a cantora Taryn Szpilman, que encerrou em grande estilo a segunda noite de atrações. Depois de passar pelo circuito Barreirinhas e São Luís nos últimos anos, a diva carioca trouxe um gostinho especial para o público de São José de Ribamar: a apresentação do espetáculo ‘Nouveau Vintage Café’, inédito em terras maranhenses.

Taryn Szpilman e seu esposo
Taryn Szpilman e seu esposo (Foto: Divulgação)

Com uma apresentação recheada de temas clássicos do jazz, do blues, do soul e do rock clássico, Taryn homenageou artistas revolucionários que brilharam entre as décadas de 40 e 70. De Billie Holiday à Ray Charles, passando ainda por Led Zeppelin, a carioca conquistou a plateia durante todo o show – principalmente em ‘Livre Estou’, canção que é tema da premiada animação ‘Frozen – Uma aventura congelante’, sempre pedida pelo fãs e que cativou o público da cidade.

“É um prazer imenso participar de mais um show no Maranhão. E o público daqui é bastante especial, pois ele tem um imenso carinho por mim. Conheço pessoas daqui há vários anos”, elogiou Taryn sobre o Maranhão. “As pessoas que comparecem aos meus shows neste Estado [do Maranhão] são um combustível para seguir em frente. É um público que eu conquistei e que acompanha a minha carreira. É maravilhoso”, acrescentou.

Antes da carioca, quem passou pelo palco do festival foi a dupla Thiago e Arismar do Espírito Santo, diretamente de São Paulo. Apostando no repertório instrumental e nos improvisos em cima do palco, a dupla, formada por pai e filho, deram à cidade um encontro inusitado entre duas gerações musicais. “Foi muito aconchegante estar nesta cidade. O carinho e o respeito que as pessoas tiveram pela nossa apresentação nos deixou muito feliz”, comemorou Thiago. Para ele, a presença de festivais como este, em várias partes do mundo, são o combustível necessário para incluir música diariamente no cotidiano. “Ver centenas de pessoas curtindo uma música autoral, desconhecida, de forma gratuita, é gratificante”, reforçou.

A aposta na música autoral, inclusive, foi o ponto alto da apresentação de Anna Claudia, na segunda da noite. Mesclando sucessos da carreira com o seu trabalho mais recente, intitulado ‘Bons Ventos”, a cantora também encantou a cidade com o seu timbre de voz delicado e poderoso.

“Minha estreia no festival foi mágica. Ver a comunidade integrada com a música ajuda a ampliar o conhecimento musical das pessoas”, disse Anna Claudia. No repertório, se destacaram faixas como ‘Vai’, ‘Retrato Branco e Preto’, ‘Dona Maria’ e as acústicas ‘Foi Assim’ e ‘Menininha do Portão’.

A noite do segundo dia de shows foi aberta com a apresentação especial da Orquestra Filarmônica de Sopros Sesc Musicar, que entregou um repertório bastante diversificado. De Tim Maia à trilha sonora de ‘Star Wars’, passando também pela homenagem à Ilha de São Luís com ‘Ilha Bela’, a orquestra, liderada pelo regente Jairo Moraes, deu o tom da noite de encanto logo nos primeiros minutos. “Poder trazer estes alunos para se apresentar na praça e ver eles se comunicando, através da música, com o público é o que me motiva a fazer cada nova apresentação”, revelou o regente.

Orquestra Sesc no São José de Ribamar Jazz e Blues Festival
Orquestra Sesc no São José de Ribamar Jazz e Blues Festival (Foto: Divulgação)

Sobre a parceria do Sesc com o São José de Ribamar Jazz e Blues Festival, a coordenadora de Cultura do Sesc, Izonete Almeida, disse que ver a comunidade acolhida pelo evento só reforça a necessidade da parceria. “Divulgar os artistas locais e dar esta oportunidade para a cidade ter conhecimento de outros estilos de música é fundamental”, analisou.

Para a estudante Karol Garcês, moradora de São José de Ribamar, o festival conseguiu garantir uma importância vital para o aquecimento da cultura local. “Ver estilos como o jazz e blues animando a cidade é algo extremamente importante. Chegar à terceira edição é uma prova de que o festival está crescendo e, principalmente, que tem espaço”, concluiu.

Socorro Araújo, secretária municipal de Turismo de São Luís, reforça que tanto o jazz quanto o blues tem morada garantida tanto em São Luís quanto São José de Ribamar. “Estas formas [do festival] é que levantam os moradores a se fortalecerem culturalmente em várias cidades do Estado”, comentou.

Feira, food bikes e Impressão do Silêncio

Na edição de 2016, o público contou com duas novidades. Uma delas foi a presença de oito food bikes instaladas na Praça da Basílica. Com ofertas de pizza, brownie, brigadeiros, tortinhas, saladas de frutas e até um empório sobre duas rodas, entre outras opções, a associação, comandada por Juliana Frota, trouxe um atrativo diferenciado para quem curtia o festival. “Fazer parte da programação é bastante especial. As comidas, a paisagem da cidade e a música fazem uma combinação perfeita”, comentou Juliana.

São José de Ribamar Jazz e Blues Festival teve também feirinha de artesanato
São José de Ribamar Jazz e Blues Festival teve também feirinha de artesanato (Foto: Divulgação)

Outra novidade foi a primeira feirinha “Acordes” de artesanato, organizada pelas artesãs da associação ENgrenARTES. Com o objetivo de fomentar pequenos negócios e gerar renda na comunidade, a feira montou vários stands na Praça da Basílica, priorizando a venda de bijuterias, artigos de azulejaria e objetos de decoração, entre outros itens.

Para Mariana Nascimento, uma das organizadoras da feira, ver a cultura interagindo, do artesanato à música, por exemplo, é uma prova de que há espaço para a integração entre vários formatos de arte. “É uma oportunidade que temos de agregar o valor do artesanato com o valor cultural da cidade e do festival”, analisou.

Grupo de fotografia Impressao do Silêncio no São José de Ribamar Jazz e Blues Festival
Grupo de fotografia Impressao do Silêncio no São José de Ribamar Jazz e Blues Festival (Foto: Divulgação)

Uma participação surpresa na programação do festival foi o projeto ‘Impressão do Silêncio’, da fotógrafa Veruska Oliveira, que levou 15 jovens surdos que desenvolvem um trabalho de iniciação no mundo da fotografia para registrar o evento de vários ângulos. “A ideia é incluir estes jovens na música e aproveitar o evento como um método de aprendizagem fotográfica e musical”, revelou Veruska.

Empresas patrocinadoras e apoiadores

O São José de Ribamar Jazz e Blues Festival, uma realização da Tutuca Viana Produções, conta com os patrocínios da Vivo, por meio da Plataforma Vivo Transforma – que promove a democratização do acesso à cultura e o envolvimento das comunidades em iniciativas voltadas, principalmente, à música – e do governo do Maranhão, por meio da Lei Estadual de Incentivo à Cultura e ao Esporte; e os apoios culturais da Prefeitura Municipal de São José de Ribamar, Sesc, Sebrae, Clara Comunicação, Tory Brindes, Taguatur Turismo, TV UFMA, TV Mirante e Grand São Luís Hotel.

Com informações da assessoria de comunicação.

Grandes nomes da música estão na 3ª edição do São José de Ribamar Jazz e Blues Festival

Publicado em

Depois de levar milhares de pessoas para Barreirinhas e São Luís, no Maranhão, o clima contagiante do jazz e blues faz sua morada em São José de Ribamar nesta semana. O São José de Ribamar Jazz e Blues Festival terá, em sua terceira edição, shows de grandes nomes da música, que ocorrerão entre os dias 4 e 6 de novembro de 2016, na Praça da Basílica.

A expectativa de público para esta edição é de superar os números da segunda edição, que foi de cerca de 4 mil pessoas, segundo os organizadores.

Grupo Dobrando a Carioca é uma das atrações do festival
Grupo Dobrando a Carioca é uma das
atrações (Foto: Marluci Martins)

Na sexta-feira (4), o festival vai apresentar três atrações: Marcus Lussaray e quarteto às 20h15. Na sequência virão, Ceumar e trio, de Minas Gerais; e Jefferson Gonçalves e Kleber Dias, do Rio de Janeiro.

No sábado (5), o evento conta com quatro atrações e tem início mais cedo, às 19h30, com a apresentação da Orquestra Filarmônica de Sopros Sesc Musicar; seguido da cantora maranhense Anna Claudia; Thiago e Arismar do Espírito Santo, de São Paulo; e da diva carioca Taryn Szpilman, com apresentação repleta de temas clássicos do jazz, do blues, do soul, do rock clássico, homenageando artistas revolucionários destes gêneros que brilharam entre as décadas de 40 e 70, durante o espetáculo intitulado ‘Noveau Vintage Café’.

No domingo (6), a noite é aberta por Daniel Lobo, do Maranhão; em seguida, sobem ao palco Chico Pinheiro e trio, de São Paulo; e o grupo Dobrando a Carioca, formado pelos músicos Zé Renato, Jards Macalé, Moacyr Luz e Guinga.

Veja, abaixo, a programação completa:

Sexta-feira (4)
Sábado (5)
Domingo (6)

Oficinas abrem 3ª edição do São José de Ribamar Jazz e Blues Festival

O ponto de partida do São José de Ribamar Jazz e Blues Festival foi dado desde a última segunda-feira (31), com a realização da oficina de guitarra, ministrada pelo músico maranhense Marcus Lussaray, na escola estadual Centro de Ensino Estado da Guanabara.

Oficinas deram a largada do São José de Ribamar Jazz e Blues Festival
Oficinas deram a largada do São José de Ribamar Jazz e Blues Festival

Na ocasião, Lussaray falou sobre os diversos gêneros musicais destacando o jazz e o blues, que ainda são pouco conhecidos pelos participantes. Também interagiu com os alunos e deu pequenas amostras do que vai apresentar em seu show nesta sexta-feira, dentro da programação musical.

Toda a oficina foi baseada na iniciação musical, para que todos entendessem a atmosfera do festival e conseguissem perceber os estilos e a questão do improviso, e levar este conhecimento para a hora do show
Marcus Lussaray, músico

Na terça-feira (1º), segundo dia de oficinas, o músico Ivaldo Guimarães (licenciado em música), ministrou a oficina de musicalização com recursos digitais, que foi dividida em duas etapas. Na oficina, os alunos tiveram acesso a um conteúdo introdutório de musicalização. Também conheceram e aprenderam a utilizar um software de edição de partitura.

Quem participou da oficina aprovou a iniciativa do festival que contou com a parceria da direção da escola. “Foi muito boa a oficina porque aprendemos coisas novas, e pudemos saber dar valor a esta arte. Eu quero aprender e exercer esta função. Quem sabe estudar música e viver dessa profissão”, comentou o estudante do segundo ano do Centro de Ensino Estado da Guanabara, Anderson Cantanhede da Silva.

Nós buscamos fomentar a formação de uma plateia inteligente, dotada de conhecimento básico para desenvolver uma sadia apreciação musical, além de proporcionar, aos participantes das oficinas, os benefícios que orbitam o desenvolvimento da musicalidade
Ivaldo Guimarães, músico e coordenador de oficinas do festival

Celebrar o mundo da música e estar em contato com o que ela pode disponibilizar, também, foi outro ponto positivo visto por Daniel Azevedo, aluno do segundo ano do mesmo Centro de Ensino. “Quero poder aprender a fazer partituras e, no futuro, poder até ser um professor”, vibrou o estudante. “A música incentiva a raciocinar mais, e desperta o sentimento e o interesse das pessoas”, acrescentou.

Alunos participaram de oficinas de música em São José de Ribamar
Alunos participaram de oficinas de
música em São José de Ribamar

Durante a oficina, a diretora do Centro de Ensino, Janne Mary, comentou que este tipo de benefício aos alunos só reforça a necessidade de agregar outros conhecimentos nas instituições. “Ver esta oficina funcionando dá força para que mais ações educativas sejam colocadas por toda a cidade”, disse. Sobre o sucesso das oficinas, ela foi enfática: “Música e escola devem sempre andar juntas. Isso sempre irá funcionar”, completou.

Incentivo de empresas

O São José de Ribamar Jazz e Blues Festival é realizado pela Tutuca Viana Produções, e conta com os patrocínios da Vivo, por meio da Plataforma Vivo Transforma e do governo do Maranhão, por meio da Lei Estadual de Incentivo à Cultura e ao Esporte; e os apoios culturais da Prefeitura Municipal de São José de Ribamar, do Sesc, Sebrae, Clara Comunicação, Tory Brindes, Taguatur Turismo, TV UFMA, TV Mirante e Grand São Luís Hotel.

A plataforma Vivo Transforma promove a democratização do acesso à cultura e o envolvimento das comunidades em iniciativas voltadas, principalmente, à música. Em 2016, serão mais de 90 projetos apoiados por meio das leis de incentivo fiscal, em diferentes regiões do país, com foco em transformação social, revelação de novos talentos e valorização da cultura nacional.