Anatel registra queda de 217,03 mil linhas na telefonia móvel em todo o Brasil

Publicado em

No mês de maio de 2017, a telefonia móvel no Brasil registrou queda de 217,03 mil linhas (-0,09%) comparado ao mês anterior (abril), segundo dados da Agência Nacional de Telecomunicações (Anatel) divulgados esta semana. No período, o setor alcançou 242,11 mil linhas móveis em operação. Nos últimos 12 meses, a redução foi de 13,11 milhões de linhas móveis (-5,14%).

Anatel registra queda de 217,03 mil linhas na telefonia móvel em todo o Brasil
Anatel registra queda de 217,03 mil linhas na telefonia móvel em todo o Brasil

Por Estado, os que apresentaram maior queda no número de linhas móveis em maio, quando comparado ao mês anterior, foram Rio Grande do Sul, com 76,89 mil (-0,54%); Ceará, com 48,22 mil (-0,5%); e Alagoas, com redução de 15,92 mil linhas (-0,48%).

Já os Estados com maior crescimento no número de linhas foram Mato Grosso, com aumento de 16,99 mil (0,42%); seguido por Tocantins, com 6,16 mil (0,35%); e Rondônia, com 5,46 mil novas linhas (0,27%).

Nos últimos 12 meses, todos os Estados apresentaram queda no número de linhas móveis, segundo a Anatel.

No Maranhão, a variação entre abril e maio de 2017 foi de -14,47 mil linhas móveis (-0,25%). No período, o número de linhas em operação chegou a 5,72 milhões. Em 12 meses, a queda no número de linhas móveis foi de 368,98 mil (-6,05%).

Telefonia móvel: Brasil tem queda de 14,09 milhões de linhas

Publicado em

Em abril de 2017, o setor de telefonia móvel no Brasil registrou queda de 14,09 milhões de linhas (-5,5%) comparado a igual período de 2016, segundo dados publicados pela Agência Nacional de Telecomunicações (Anatel) esta semana.

Em abril, telefonia móvel registrou queda no número de linhas em todos os Estados brasileiros
Em abril, telefonia móvel registrou queda no número de linhas em todos os Estados brasileiros

No mês, todos os Estados apresentaram queda no número de linhas móveis. Os Estados com maiores quedas foram Pernambuco, com redução de 1,21 milhão de linhas (-10,37%), seguido por Ceará, com diminuição de 1,1 milhão de linhas (-10,3%) e Alagoas, com menos 376,41 mil linhas (-10,23%).

No Maranhão, a variação em 12 meses foi de -5,36%, quando o Estado registrou a perda de 325,34 mil linhas móveis, chegando a 5,74 milhões em abril. Entre março e abril de 2017, a queda foi de 7,78 mil linhas (-0,14%).

Banda larga no país registra 27,29 milhões de assinantes

A Anatel divulgou ainda os números da banda larga fixa, que recebeu 73,43 mil novos assinantes (aumento de 0,27%) em abril, se comparado a março de 2017. O número de usuários do serviço ficou em 27,29 milhões. Nos últimos 12 meses, os resultados também são positivos: 1,39 milhão de novos clientes (5,36%).

Número de usuários da banda larga no Brasil alcançou 27,29 milhões
Número de usuários da banda larga no Brasil alcançou 27,29 milhões

De março para abril de 2017, os maiores crescimentos percentuais registrados foram no Ceará, com 14,21 mil novos clientes (2,31%); no Pará, com 6,9 mil (2,23%); e no Maranhão, com 4,19 mil (1,87%).

Nos últimos 12 meses, todos os Estados apresentaram crescimento. Os maiores percentuais foram registrados no Amapá, com 6,81 mil usuários (13,35%); Maranhão, com 26,26 mil (13,03%); e Rondônia, com 14,64 mil (10,93%).

Aumenta número de Estados no cadastro nacional de celulares roubados

Publicado em

Uma parcela maior da população brasileira deve contar com a facilidade de bloqueio dos aparelhos roubados, furtados ou extraviados sem precisar ir às prestadoras da telefonia móvel. É que, em abril, São Paulo aderiu ao cadastro nacional de celulares roubados, ou Cadastro Nacional de Estações Móveis Impedidas (Cemi), a já há negociações adiantadas com o Distrito Federal para implementação do serviço.

Com o Cemi, o registro para o bloqueio do aparelho passa a ser realizado pelas polícias estaduais participantes do serviço e pela Polícia Federal. O sistema on-line permite às polícias fazer o registro dos terminais roubados, furtados ou extraviados diretamente na base de dados.

Sistema permite às polícias fazer registro dos terminais roubados, furtados ou extraviados
Sistema permite às polícias fazer registro dos terminais roubados, furtados ou extraviados

O departamento técnico da Agência Nacional de Telecomunicações (Anatel) mantém conversações com Acre, Alagoas, Amapá, Goiás, Maranhão, Mato Grosso do Sul, Minas Gerais, Pará, Paraíba, Paraná, Pernambuco, Piauí, Rio Grande do Norte, Rio Grande do Sul, Rondônia, Santa Catarina, Sergipe e Tocantins para ampliar o número de Estados participantes no cadastro nacional de celulares roubados.

São Paulo, Amazonas, Bahia, Ceará, Espírito Santo, Mato Grosso, Rio de Janeiro e Roraima já assinaram o termo de adesão e se encontram aptos a utilizar o cadastro.

O Cemi é supervisionado pela Anatel, operado pela Associação Brasileira de Recursos em Telecomunicações (ABR Telecom) e implementado pelas prestadoras da telefonia móvel.