Projeto estimula preservação ambiental entre crianças no Maranhão

Publicado em

Tornar atitudes diárias como separar o lixo para a reciclagem em hábito é um trabalho que se inicia na infância. Por isso, se faz necessária a promoção da educação para a sustentabilidade, contribuindo com a formação de cidadãos conscientes de suas responsabilidades com o meio ambiente. Para promover a preservação ambiental, o Serviço Social do Comércio (Sesc) desenvolveu o projeto Criando Arte na cidade de Raposa, Região Metropolitana de São Luís, beneficiando 40 crianças com idade entre oito e 12 anos. Realizado desde maio de 2017, o projeto encerrou-se neste mês de julho, com a confecção de um jardim suspenso.

Para promover a preservação ambiental, Sesc-MA desenvolveu projeto beneficiando 40 crianças na cidade de Raposa
Para promover a preservação ambiental, Sesc-MA desenvolveu projeto beneficiando 40 crianças na cidade de Raposa (Foto: Joaquim Neto/Sesc-MA)

Com uma didática que congregou diversão e aprendizado, o objetivo do Sesc era trabalhar o conceito de sustentabilidade e preservação ambiental por meio da realização de oficinas práticas de hortas comunitárias, jardins suspensos e brinquedos confeccionados a partir da utilização de materiais reciclados, assim como estreitar os laços familiares a partir de encontros temáticos relacionados à autoestima, infância e espiritualidade.

As oficinas de hortas comunitárias e jardins suspensos promovida pelo Sesc em parceria com a Escola Renascer permitiu às 40 crianças participantes a aquisição de conhecimentos básicos de plantio e manejo que serão aplicados no espaço do próprio colégio. Dessa forma, além de estimular o cuidado com o meio ambiente, o Criando Arte também estimulou hábitos alimentares saudáveis, fortaleceu o convívio comunitário e exercitou a cooperação e o trabalho em equipe, bem como incentivou o cultivo da horta nas residências dos pequenos.

Trabalhando a consciência das crianças do município de Raposa por meio de atividades lúdicas alicerçadas no conceito e importância da preservação ambiental, a reciclagem permeou todo o processo de aprendizado e as novas práticas já estão refletindo na comunidade, como ressalta a assistente social do Sesc, Soraya Aguiar.

Foi gratificante ver o interesse das crianças em produzir brinquedos com produtos que iriam para o lixo e tão empenhados em cultivar os primeiros brotinhos de planta. Os pais revelaram que em casa estão buscando caixas e garrafas para transformar, minimizando a produção do lixo e contribuindo para a conscientização da comunidade sobre os benefícios da reciclagem e a importância do cuidado com o meio ambiente

Para o encerramento do projeto as crianças confeccionaram um jardim suspenso na Quadra Poliesportiva do Sesc Comunidade que será transferido para a Escola Renascer onde as crianças darão continuidade aos cuidados necessários às plantas cultivadas. Na oportunidade também foi realizada uma exposição de parte dos brinquedos que foram produzidos com caixas de leite, vidro de amaciante, prendedor de roupa, copos descartáveis, caixas de sapato, palitos de picolé, dentre outros materiais recicláveis.

Desde a inauguração da quadra poliesportiva, em 2013, a instituição também tem oportunizado aos moradores da Raposa experiências gratificantes por meio de apresentações artístico-culturais, ofertado orientações educativas e preventivas na área de saúde e permitido às crianças e adolescentes da região a prática gratuita das modalidades futsal, vôlei, handebol e educação psicomotora (esporte coletivo).

Região Metropolitana de São Luís registra mais de 700 mortes violentas

Publicado em

É como se duas pessoas fossem assassinadas a cada dia; uma média de 60 mortes a cada mês. Em 2016, a Região Metropolitana de São Luís – que, além da capital do Maranhão, inclui os municípios de Raposa, Paço do Lumiar e São José de Ribamar – registrou 742 casos de crimes violentos letais intencionais, nome técnico para as mortes violentas – veja todos os dados em infográficos interativos e orientações de segurança.

Dados da Secretaria de Segurança Pública do Maranhão (SSP-MA) mostram que São Luís concentra a maior parte (mais de 70%) dos casos de homicídios dolosos, roubos seguidos de morte (latrocínios) e lesões corporais seguidas de morte. No período, foram 501 homicídios e 24 casos de latrocínio.

São José de Ribamar, terceira mais populosa cidade do Maranhão, concentra quase 18% dos casos de homicídios na Região Metropolitana. Em 2016, foram 124 casos na cidade. Paço do Lumiar vem em seguida, com 52 homicídios em todo o período.

Em 2015, duas mil mortes violentas foram registradas no Maranhão

Dados do 10º Anuário Brasileiro de Segurança Pública sobre mortes violentas intencionais registradas no Brasil nos anos de 2014 e 2015, publicado pelo Fórum Brasileiro de Segurança Pública (FBSP), mostram que Maranhão viu, nesse período, praticamente todos os índices de violência aumentarem.

Em 2015, foram registradas 2.333 mortes violentas intencionais, uma taxa de 33,8 para cada 100 mil habitantes, acima do índice nacional de 28,6 mortes. É pouco mais de seis mortes por dia. Em 2014, foram registradas 2.158 mortes violentas, 175 a menos que no ano seguinte.

Em 2015, casos de mortes violentas passaram de dois mil em todo o Maranhão
Em 2015, casos de mortes violentas passaram de dois mil em todo o Maranhão

Dos total de crimes letais intencionais, os homicídios dolosos são os que se destacam no anuário: em 2015, foram 2.007; contra 1.902 homicídios dolosos registrados em 2014.

Operação Selo Verde é realizada em postos do Maranhão

Publicado em

Realizada na Região Metropolitana de São Luís a quinta etapa da operação de fiscalização Selo Verde – Posto Legal, a fim de verificar a situação do licenciamento ambiental e segurança das instalações de todos os postos de revenda de combustível e gás de cozinha no Maranhão. Desta vez, os alvos foram postos de combustível nas cidades de São Luís, Raposa e São José de Ribamar.

Participam da operação a Secretaria de Estado de Meio Ambiente e Recursos Naturais (Sema), Secretaria de Estado de Minas e Energia (Seme), Corpo de Bombeiros Militar do Maranhão (CBM-MA), Polícia Militar do Maranhão (PM-MA), Batalhão de Polícia Ambiental (BPA), Delegacia Especializada em Meio Ambiente (Dema), Delegacia de Defesa do Consumidor e secretarias Municipais de Meio Ambiente de São Luis e São José de Ribamar.

O objetivo da ação é solucionar o problema da falta de licenciamento ambiental que afeta grande parte dos postos no Estado do Maranhão
Marcelo Coelho, secretário de Estado de Meio Ambiente

Além da licença ambiental de operação, também são verificados certificado de vistoria e alvará de funcionamento; e também vistorias de itens de segurança, amostras de combustíveis para análise laboratorial e origem dos combustíveis.

Selo Verde

Apesar dos primeiros resultados apontarem para um número expressivo de estabelecimentos irregulares, a intenção do governo do Estado, segundo a Sema, não é fechar postos de combustível. No decorrer das operações, as irregularidades encontradas são encaminhadas, conforme o caso, para o Ministério Público do Consumidor e o Ministério Público Ambiental e, em caso de crime, os encaminhamentos são para a Polícia Civil.

Além da licença ambiental, outros documentos são verificados na operação Selo Verde
Além da licença ambiental, outros documentos são verificados na operação Selo Verde (Foto: Divulgação/Sema)

Em São Luís, a operação contou, ainda, com a participação do Centro de Referência de Saúde do Trabalhador (Cerest), que analisou as condições de saúde dos trabalhadores nos postos fiscalizados.