VÍDEO: eclipse solar de 21 de agosto em timelapse

Publicado em

Nesta semana, o mundo inteiro voltou os olhos aos Estados Unidos. O eclipse solar de 21 de agosto trouxe, para os cientistas, uma grande oportunidade de contemplar o espetáculo e realizar estudos inéditos sobre a Lua e o Sol, e, por isso, foi considerado o ‘eclipse do século’ por lá.

Eclipse solar parcial em São Luís
Eclipse solar parcial em São Luís (Foto: Maurício Araya)

Você viu, no Blog do Maurício Araya: a Lua encobriu totalmente o Sol por cerca de 2 minutos e 30 segundos, e sua sombra percorreu 14 dos 50 Estados Unidos.

A sombra da Lua percorreu, ainda, países da América do Norte, América Central, Caribe, ao norte da América do Sul e oeste da Europa e África também puderam observar o eclipse do Sol.

Em São Luís, um dos pontos de melhor observação do eclipse solar parcial no Brasil, a Lua começou a encobrir o Sol por volta das 16h (horário de Brasília), chegando ao seu ápice – cerca de 40% – pouco após as 17h10.

Como amante da ciência, em especial a astronomia, resolvi fazer, também, algumas experimentações. Usando cinco câmeras – entre elas duas fotográficas, duas de aventura e uma de celular –, registrei o eclipse solar de 21 de agosto.

Uma das minhas dúvidas era: temos a percepção visual da passagem da Lua sobre o Sol durante um eclipse parcial? No registro em timelapse – processo de aceleração das imagens –, pude reparar que, ainda que pequena, a percepção visual é, sim, de um ‘escurecimento’.

Essa percepção, claro, é proporcionada pelo horário em que o eclipse aconteceu: próximo ao pôr do Sol, a atmosfera terrestre funciona como filtro, permitindo a observação e até o registro, em fotografia e vídeo, do disco do Sol. Por isso, quase no fim da passagem, foi possível registrar o eclipse sem o Sol parecer só um clarão nas imagens.

No Brasil, eclipse solar foi observado de forma parcial
No Brasil, eclipse solar foi observado de forma parcial (Foto: Maurício Araya)

No vídeo, entretanto, a própria câmera se encarregou de corrigir a aparente falta de luz.

Como observar um eclipse solar com segurança?

Já havia pesquisado sobre formas de como observar o fenômeno com segurança e com materiais simples, já que não é recomendado olhar por muito tempo para o Sol – e, principalmente, durante um eclipse solar parcial, em que a percepção visual do fenômeno a olho nu é quase nula.

Uma das formas de observação, segundo o que havia pesquisado, é pela projeção por meio de um espelho de aumento. Não resultou.

Outra, seria a projeção por meio de uma caixa de cereal ou de sapato, por exemplo. Basta fazer um furo em uma face e, dentro da caixa, a imagem do eclipse seria projetada – no mesmo princípio do funcionamento das câmeras fotográficas. Esse foi o método mais acertado.

Para observar o andamento do eclipse em segurança, usei uma caixa de projeção
Para observar o andamento do eclipse em segurança, usei uma caixa de projeção (Foto: Maurício Araya)

Com um furo em uma folha de papel, por exemplo, é possível projetar a mesma imagem em outras superfícies, como uma parede ou outra folha de papel.

Usando uma folha de papel com um furo, também é possível projetar o eclipse na parede, e acompanhar o fenômeno sem risco
Usando uma folha de papel com um furo, também é possível projetar o eclipse na parede, e acompanhar o fenômeno sem risco (Foto: Maurício Araya)

As regiões Norte e Nordeste do Brasil vão experimentar, nos próximos anos, mais dois eclipses solares: um em 14 de outubro de 2023, com um eclipse anular, em que a Lua fica, de forma aparente, menor que o Sol, criando a imagem de um círculo de fogo durante o ápice do fenômeno; e outro no dia 12 de agosto de 2045, quando um eclipse solar total poderá ser observado nos Estados do Amapá, Pará, Maranhão, Piauí, Ceará, Rio Grande do Norte, Paraíba e Pernambuco.

E um detalhe: em 2045, moradores das cidades de Belém, São Luís, João Pessoa e Recife terão o melhor ponto de observação do eclipse, com duração de até 6 minutos.

Maranhão registra mais de 2 mil queimadas em julho

Publicado em

O Maranhão superou, na manhã deste sábado (29), a marca de 2 mil queimadas registradas somente no mês de julho de 2017, aumento de mais de 135% comparado ao mês anterior. Os dados, apurados pelo Blog do Maurício Araya – que, agora, conta com uma página eletrônica com dados atualizados em tempo real sobre o risco de queimadas nas principais regiões do Maranhão –, são do Programa de Monitoramento de Queimadas do Instituto Nacional de Pesquisas Espaciais (Inpe).

3,49 mil queimadas já foram registradas no Maranhão, em 2017; 2 mil somente em julho
3,49 mil queimadas já foram registradas no Maranhão, em 2017; 2 mil somente em julho

O número já é maior que a média histórica para o mês (com dados registrados desde 1998) de 1,16 mil focos de incêndio. Com 3,49 mil focos, o Maranhão é o quarto Estado do país com maior número de focos identificados pelos satélites do Inpe, atrás de Mato Grosso, Pará e Tocantins.

Fernando Falcão – localizado na região central do Maranhão, a 554 km de distância da capital, São Luís – é o único município maranhense no ‘top 10’ de cidades com maiores índices de queimadas: em 2017, já foram mais de 350.

Os dados preocupam, já que, com o início do período de seca no Estado, a tendência é de aumento dos índices de queimadas e incêndios florestais nos meses de agosto, setembro, outubro, novembro e dezembro. O pico é registrado, normalmente, em setembro e outubro, com média de 4,4 mil e 4,17 mil, respectivamente.

Para os próximos meses, o Centro de Previsão de Tempo e Estudos Climáticos (CPTEC), do Inpe, prevê condições de pluviosidade e temperatura dentro do normal, sem anomalias climáticas.

Queimadas e incêndios florestais devem ser denunciados

Além de destruir a fauna e flora, as queimadas e incêndios florestais causam poluição atmosférica com prejuízos à saúde das pessoas, e, em nível global, estão associadas a modificações da composição química da atmosfera. Devastando anualmente em média cerca de 15 mil km² por ano de florestas, o Brasil é o quinto país mais poluidor do mundo.

No país, quase a totalidade delas é causada pelo homem, seja para limpeza de pastos, preparo de plantios, desmatamentos, colheita manual de cana-de-açúcar, vandalismo, balões de São João, disputas fundiárias, protestos sociais, etc.

Legislações federal, estaduais e municipais proíbem a prática, que pode ser denunciadas ao Corpo de Bombeiros, secretarias estaduais de Meio Ambiente, Instituto Brasileiro do Meio Ambiente (Ibama), prefeituras e institutos florestais. A lista completa de órgãos envolvidos na prevenção e combate às queimadas e incêndios florestais pode ser encontrada na página eletrônica do Inpe na internet.

Telefonia móvel no Brasil registra queda de 2,35 mil linhas

Publicado em

Em junho de 2017, o setor de telefonia móvel no Brasil registrou uma ligeira queda, com 2,35 mil linhas comparado a maio. No mês, o país alcançou 242,11 milhões de linhas móveis em operação. Já nos últimos 12 meses, a redução foi de 11,29 milhões de linhas móveis (-4,46%). Os dados foram divulgados pela Agência Nacional de Telecomunicações (Anatel) esta semana.

Em 12 meses, redução foi de 11,29 milhões de linhas na telefonia móvel
Em 12 meses, redução foi de 11,29 milhões de linhas na telefonia móvel

Os Estados que apresentaram maior queda no número de linhas móveis foram Rio Grande do Sul, com 42,02 mil linhas móveis (-0,3%); Pará, com 25,64 mil (-0,34%); e Bahia, com redução de 17,10 mil linhas (-0,11%).

Já os Estados com maior crescimento no número de linhas foram São Paulo, com aumento de 125,81 mil (0,2%); seguido por Pernambuco, com 11,31 mil novas linhas (0,11%); e Ceará, com 10,09 mil novas linhas (0,11).

Nos últimos 12 meses, todos os Estados apresentaram queda no número de linhas móveis.

Entre as tecnologias, o maior aumento no período foi do 4G, com adição de 4,22 milhões de linhas (5,54%); e de 40,85 milhões de novas linhas (102,91%) em 12 meses.

TV por assinatura no Brasil registra redução de 136,78 mil assinantes

Publicado em

O setor de TV por assinatura registrou uma queda na base de assinantes de -0,73% em maio de 2017, na comparação com o mês anterior. No período, as empresas de TV paga perderam 136,78 assinantes, totalizando 18,64 milhões no mês, segundo a Agência Nacional de Telecomunicações (Anatel). Nos últimos 12 meses, a redução foi de assinantes alcançou -1,39%, com a saída de 262,56 usuários.

TV por assinatura no Brasil registra redução de 136,78 mil assinantes
TV por assinatura no Brasil registra redução de 136,78 mil assinantes

Por grupo econômico, a Oi apresentou a maior crescimento de abril para maio de 2017 e nos últimos 12 meses, 1,25% e 16,21% respectivamente. Nossa TV, Claro e Vivo apresentaram redução em ambos os períodos.

Entre abril e maio de 2017, quase todos os Estados brasileiros apresentaram redução no número de assinantes de TV por assinatura, exceto Maranhão (0,45%), Piauí (0,41%), Rio Grande do Sul (0,08%) e Tocantins (0,01%) que registraram pequenos crescimentos.

Na comparação entre maio de 2017 e maio de 2016, no entanto, Piauí, com 9,14%; Maranhão, com 7,68%; Rio Grande do Norte, com 5,21%; e Pará, com 4,84%, lideraram o crescimento.

Telefonia móvel: Brasil tem queda de 14,09 milhões de linhas

Publicado em

Em abril de 2017, o setor de telefonia móvel no Brasil registrou queda de 14,09 milhões de linhas (-5,5%) comparado a igual período de 2016, segundo dados publicados pela Agência Nacional de Telecomunicações (Anatel) esta semana.

Em abril, telefonia móvel registrou queda no número de linhas em todos os Estados brasileiros
Em abril, telefonia móvel registrou queda no número de linhas em todos os Estados brasileiros

No mês, todos os Estados apresentaram queda no número de linhas móveis. Os Estados com maiores quedas foram Pernambuco, com redução de 1,21 milhão de linhas (-10,37%), seguido por Ceará, com diminuição de 1,1 milhão de linhas (-10,3%) e Alagoas, com menos 376,41 mil linhas (-10,23%).

No Maranhão, a variação em 12 meses foi de -5,36%, quando o Estado registrou a perda de 325,34 mil linhas móveis, chegando a 5,74 milhões em abril. Entre março e abril de 2017, a queda foi de 7,78 mil linhas (-0,14%).

Banda larga no país registra 27,29 milhões de assinantes

A Anatel divulgou ainda os números da banda larga fixa, que recebeu 73,43 mil novos assinantes (aumento de 0,27%) em abril, se comparado a março de 2017. O número de usuários do serviço ficou em 27,29 milhões. Nos últimos 12 meses, os resultados também são positivos: 1,39 milhão de novos clientes (5,36%).

Número de usuários da banda larga no Brasil alcançou 27,29 milhões
Número de usuários da banda larga no Brasil alcançou 27,29 milhões

De março para abril de 2017, os maiores crescimentos percentuais registrados foram no Ceará, com 14,21 mil novos clientes (2,31%); no Pará, com 6,9 mil (2,23%); e no Maranhão, com 4,19 mil (1,87%).

Nos últimos 12 meses, todos os Estados apresentaram crescimento. Os maiores percentuais foram registrados no Amapá, com 6,81 mil usuários (13,35%); Maranhão, com 26,26 mil (13,03%); e Rondônia, com 14,64 mil (10,93%).

Polícia Federal desarticula fraude no seguro-desemprego

Publicado em

A Polícia Federal em conjunto com o Ministério do Trabalho e Emprego (MTE) deu início na manhã desta quinta-feira (18) à Operação Stellio, com objetivo de desarticular uma organização criminosa especializada em fraudes contra programa de seguro-desemprego e Fundo de Garantia do Tempo de Serviço (FGTS) que atuava em diversos Estados brasileiros. Mandados foram cumpridos no Tocantins, Goiás, Pará, Maranhão, Roraima, Paraná e Santa Catarina.

Requerimentos fraudulentos eram inseridos nas unidades do Sine por agentes credenciados, segundo informa a Polícia Federal
Requerimentos fraudulentos eram inseridos nas unidades do Sine por agentes credenciados, segundo informa a Polícia Federal

Participaram da operação 250 policiais federais para cumprir, ao todo, 136 mandados judiciais, sendo 56 mandados de busca e apreensão, 10 mandados de condução coercitiva, nove prisões preventivas e 61 prisões temporárias.

No Maranhão, a Operação Stellio cumpriu com êxito, em Caxias – a 360 km da capital maranhense, São Luís 360 km, três dos cinco mandados de prisão temporária e busca e apreensão – sendo quatro em Caxias um em Imperatriz e um em São Luís.

Como a Polícia Federal desarticulou o esquema?

A Polícia Federal descobriu que requerimentos fraudulentos eram inseridos nas unidades do Sistema Nacional de Emprego (Sine) por agentes credenciados e em escritórios montados pela organização mediante a utilização das senhas desses agentes cooptados pelos criminosos. A investigação apontou um prejuízo efetivo na ordem de R$ 320 milhões, conforme dados de requerimentos fraudados entre janeiro de 2014 e junho de 2015.

A Justiça Federal em Palmas determinou a prisão de 14 agentes e ex-agentes do Sine dos Estados de Tocantins, Goiás e Maranhão que atuaram na inserção de milhares de requerimentos fraudulentos no sistema do MTE. Também foi determinada a prisão de três ex-funcionários da Caixa Econômica Federal que facilitavam os saques dos benefícios fraudulentos por outros integrantes da organização criminosa.

Além disso, a Justiça determinou a indisponibilidade financeira de 96 pessoas integrantes da organização criminosa visando ressarcir o erário público pelos prejuízos, impedindo a dispersão patrimonial dos envolvidos após a deflagração da operação.

Os fatos em apuração configuram, em tese, os crimes de estelionato, organização criminosa, lavagem de dinheiro e corrupção ativa e passiva, cujas penas somadas ultrapassam 50 anos.

A operação faz referência ao nome em latim stellionatu, estelionato, fraude, que veio de stellio, um tipo de camaleão que tem a pele com manchas que parecem estrelas. Stellio ganhou o sentido de trapaceiro, pela capacidade do animal de mudar a cor da pele para se confundir com o ambiente.

Aumenta número de Estados no cadastro nacional de celulares roubados

Publicado em

Uma parcela maior da população brasileira deve contar com a facilidade de bloqueio dos aparelhos roubados, furtados ou extraviados sem precisar ir às prestadoras da telefonia móvel. É que, em abril, São Paulo aderiu ao cadastro nacional de celulares roubados, ou Cadastro Nacional de Estações Móveis Impedidas (Cemi), a já há negociações adiantadas com o Distrito Federal para implementação do serviço.

Com o Cemi, o registro para o bloqueio do aparelho passa a ser realizado pelas polícias estaduais participantes do serviço e pela Polícia Federal. O sistema on-line permite às polícias fazer o registro dos terminais roubados, furtados ou extraviados diretamente na base de dados.

Sistema permite às polícias fazer registro dos terminais roubados, furtados ou extraviados
Sistema permite às polícias fazer registro dos terminais roubados, furtados ou extraviados

O departamento técnico da Agência Nacional de Telecomunicações (Anatel) mantém conversações com Acre, Alagoas, Amapá, Goiás, Maranhão, Mato Grosso do Sul, Minas Gerais, Pará, Paraíba, Paraná, Pernambuco, Piauí, Rio Grande do Norte, Rio Grande do Sul, Rondônia, Santa Catarina, Sergipe e Tocantins para ampliar o número de Estados participantes no cadastro nacional de celulares roubados.

São Paulo, Amazonas, Bahia, Ceará, Espírito Santo, Mato Grosso, Rio de Janeiro e Roraima já assinaram o termo de adesão e se encontram aptos a utilizar o cadastro.

O Cemi é supervisionado pela Anatel, operado pela Associação Brasileira de Recursos em Telecomunicações (ABR Telecom) e implementado pelas prestadoras da telefonia móvel.