Varizes em homens: aumenta procura deles por tratamento; veja dicas de prevenção

Publicado em

Apesar de reconhecerem a doença mais tarde, os homens, normalmente com veias mais calibrosas que as mulheres, também recorrem a tratamentos para evitar a dor, inchaço e sensação de peso nas pernas. Não, as inconveniências das varizes não são uma prerrogativa feminina: estima-se que as varizes em homens atingem 20% do público, geralmente entre os 30 e 40 anos de idade. Trabalhos mostram que 30% dos homens vão desenvolver varizes ao longo da vida.

Prevalência de varizes em homens é cerca de 15 % mais baixa do que no público feminino
Prevalência de varizes em homens é cerca de 15 % mais baixa do que no público feminino, mas neles as varizes costumam ser bem mais calibrosas

Apesar de também ter como sua principal causa a hereditariedade, a prevalência de varizes em homens é cerca de 15% mais baixa que no público feminino, mas em contrapartida as varizes masculinas costumam ser bem mais calibrosas, como explica a cirurgiã vascular e angiologista Aline Lamaita, integrante da Sociedade Brasileira de Angiologia e Cirurgia Vascular (SBACV).

Apesar de ter varizes mais grossas, o homem não está sujeito a ação dos hormônios femininos, tem musculatura da panturrilha bem mais desenvolvida, e talvez por isso, em geral tem bem menos sintomas do que as mulheres

As veias dilatadas e tortuosas perdem sua função causando danos estéticos e danos circulatórios e causam dor, inchaço, câimbras, manchas nas pernas e comprometimento estético.

Além da hereditariedade, outras causas são a obesidade, sedentarismo e o fato de ficar muito tempo parado em pé ou sentado.

Diferentemente das mulheres, que em geral percebem e cuidam do problema mais cedo, talvez por razões de estética, eles sentem dores e inchaço nas pernas, porém demoram a reconhecer que se trata de varizes.

Se somarmos tudo isso a falta de incômodo na parte estética, afinal os pelos masculinos disfarçam muito os casos mais iniciais da doença, é muito comum que os homens posterguem a procura de um tratamento, e buscam o médico em fase avançada, quando a dor se torna insuportável, o que acaba aumentando bastante o porte da cirurgia a que será submetido

Diagnóstico e tratamento das varizes em homens

Feito o diagnóstico, a cirurgia em si tem as mesmas indicações e técnicas realizadas para o sexo feminino.

Entre as causas das varizes em homens, estão a obesidade e o sedentarismo; por isso atividades físicas são recomendadas
Entre as causas das varizes em homens, estão a obesidade e o sedentarismo; por isso atividades físicas são recomendadas

Já foi o tempo em que os consultórios vasculares eram preenchidos apenas por mulheres. De 10 anos para cá, existe um aumento significativo da procura do sexo masculino por tratamentos estéticos.

Peeling, laser facial, depilação a laser, preenchimento, tratamento capilar, lipoaspiração, áreas antes de domínio feminino começaram a ser dominadas por esse novo público, vaidoso e preocupado em envelhecer bem. E é claro que o tratamento estético vascular não iria ficar para trás.

No último ano, 30 % do movimento de tratamento de vasinhos no consultório (escleroterapia/laser) foi preenchido pelo sexo masculino

Prevenção

Para prevenir o problema, doutora Aline Lamaita dá algumas dicas:

Mexa-se: se não puder evitar de ficar sentado o dia todo, levante-se e ande de uma em uma hora para estimular a circulação das pernas;
Cuide da alimentação: a obesidade é fator de risco;
Evite o sal, que pode causar retenção de líquidos;
Beba muita água, para evitar a síndrome do intestino preguiçoso;
Não exagere na academia: os exercícios de musculação pesada e aeróbica de alto impacto podem provocar uma tensão nos vasos, o que ajuda na sua dilatação;
Levante os pés, sempre que puder: ao deitar, mantenha as pernas elevadas, o que faz o retorno venoso, pois os pés ficarão acima do coração;
Não fume: o cigarro, aliado a outros hábitos pode prejudicar as varizes;
Use meias elásticas: com compressão graduada, elas fazem pressão nos pés e tornozelo ajudando o sangue a subir em direção ao coração;
Jamais trate as varizes sem o acompanhamento de um cirurgião vascular.

Você sabe quais as diferenças entre febre chikungunya e dengue?

Publicado em

Você sabe o que é a febre chikungunya? Facilmente confundida com a dengue por ter sintomas muito parecidos, a doença é causada por um arbovírus e teve seu primeiro registro em 1952 na África. Desde então, tem se proliferado por países da América Latina.

Transmissão da febre chikungunya e dengue ocorre pela picada dos mosquitos Aedes aegypti e Aedes albopictus
Transmissão da febre chikungunya e dengue ocorre pela picada dos mosquitos Aedes aegypti e Aedes albopictus

Agora, você sabe quais as diferenças entre febre chikungunya e dengue? Para orientar a população e esclarecer as principais dúvidas sobre o assunto, a infectologista do Hospital e Maternidade São Cristóvão, doutora Andreia Maruzo Perejão, explica a transmissão das duas doenças ocorrida pela picada dos mosquitos Aedes aegypti ou Aedes albopictus.

Segundo a profissional entre 72% a 95% das pessoas infectadas apresentam febre alta repentina.

Além desse sintoma clássico, o paciente com chikungunya também apresenta cefaleia, mialgia, manchas pelo corpo (exantema), conjuntivite, náuseas e vômitos e dores articulares debilitantes (poliartrite), sendo esse último sintoma o que mais a diferencia da dengue

Seu nome vem da língua Kinchonde e significa ‘homem que anda arqueado’ devido às fortes dores articulares.

Essa artrite ocorre mais em mãos e pés e pode persistir por meses ou anos, mas, raramente, há complicações ou mortes

A médica explica que o diagnóstico se dá pela suspeita clinica e exames de sangue, como sorologias, cultura viral ou RT PCR. A infectologia adverte que o tratamento é sintomático, pois não há medicação especifica para o vírus, ou seja, tratam-se apenas os sintomas.

A orientação ao paciente é de repouso, hidratação e alimentar-se bem para que a imunidade melhore durante o ciclo do vírus. Para a prevenção da Chikungunya, deve- se manter os mesmos cuidados que se tem com a dengue.

É extremamente importante eliminar qualquer objeto que acumule água, principalmente da chuva, pois podem ser criadouros do mosquito. Durante as epidemias, também oriento o uso de repelentes

O período de incubação do vírus leva de 2 a 10 dias. Na dengue, o risco de evoluir para um quadro hemorrágico é maior, segundo explica a infectologista.

Hipertensão no Brasil: 2 milhões de casos são registrados por ano no país

Publicado em

A pressão alta ou hipertensão é uma doença que todos já ouviram falar, mas que muitas vezes não possuem o esclarecimento preciso sobre o tema. Em média, a hipertensão no Brasil registra dois milhões de casos novos por ano. Pessoas mais acometidas a terem a doença são: idosas, obesas, sedentárias e pessoas com histórico familiar.

Hipertensão no Brasil: 2 milhões de casos são registrados por ano no país
Hipertensão no Brasil: 2 milhões de casos são registrados por ano no país

Ela é uma doença crônica que não possui cura. É considerada silenciosa, pois na maioria dos casos não apresenta sintoma. A ausência destes sintomas, com o passar do tempo pode causar problemas de saúde, como doenças do coração e acidente vascular cerebral (AVC), também conhecido como derrame.

Nos poucos casos em que pacientes apresentam sintomas é possível que sintam enjoos, tonturas, dor na nuca, dificuldade para respirar, visão embaçada e dor no peito.

O cardiologista Bernardo Nassur, da Clinica Fares em São Paulo, faz o alerta.

É muito importante que a população trate a hipertensão de forma efetiva. Para isso é preciso buscar o diagnóstico, muito antes de se ter algum sintoma, pois como ela é silenciosa, existem muitos casos em que o paciente tem um infarto ou só descobre que é hipertenso após algo grave

O cardiologista explica que o diagnóstico é muito fácil: basta realizar o teste de aferição da pressão. Ele pode ser feito no posto de saúde, farmácias ou com um médico de sua confiança. A aferição da pressão é o único teste que pode confirmar uma hipertensão ou não.

Tratamento requer mudança no estilo de vida

Em caso de diagnostico positivo, o paciente será encaminhado para um tratamento, que deve sempre ser indicado por um médico. Esse tratamento será feito a base de medicamento diário e mudança no estilo de vida.

O paciente também terá que estar atento a alimentação. É ideal que o tratamento da hipertensão também seja acompanhado por uma nutricionista, que indicará o cardápio ideal para esse caso.

O cardiologista também explica que praticar exercícios físicos regulares, conforme orientação médica e de um preparador físico também fazem bem e ajudam no tratamento.

A hipertensão é muito mais séria do que a população pensa. Se não for tratada da maneira correta, ela pode gerar sérias consequências para o paciente. Por isso sempre alerto para todos que não esperem de forma alguma um sintoma. Busque o diagnóstico se há a hipertensão ou não, e no caso de positivo, siga o tratamento diariamente

O não tratamento da doença pode produzir sérias consequências como derrame cerebral, problemas no coração e nos rins, que também podem levar o indivíduo à morte ou a piora na qualidade de vida.