65% dos brasileiros não têm reserva financeira

Publicado em

65% dos brasileiros não possuem qualquer reserva financeira: em março de 2017, 76% dos consumidores não conseguiram poupar, contra 19% que conseguiram guardar dinheiro. Os dados são do Indicador de Reserva Financeira, calculado pelo Serviço de Proteção ao Crédito (SPC Brasil) e pela Confederação Nacional de Dirigentes Lojistas (CNDL), divulgado nessa semana.

Pelo menos 76% dos consumidores não conseguiram poupar em março de 2017, mostra indicador
Pelo menos 76% dos consumidores não conseguiram poupar em março de 2017, mostra indicador

Para a pesquisa, foram considerados 800 casos de pessoas com idade superior ou igual a 18 anos, de ambos os sexos e de todas as classes sociais. A margem de erro é de 3,5 pontos percentuais.

Observando os dados por classe de renda, a proporção de poupadores foi maior nas classes A e B do que nas classes C, D e E. No primeiro caso, 37% pouparam, ante 60% que não pouparam. Já entre aqueles com menor renda, 13% pouparam, ante 80% que não reservaram nenhuma quantia. Apesar da diferença, em ambas as classes a maioria não poupou em março.

O baixo número de poupadores tem relação direta com a crise econômica, que potencializa a falta de cultura de poupar, segundo a análise da economista-chefe do SPC Brasil, Marcela Kawauti.

O desafio de boa parte das famílias é superar a queda da renda decorrente do aumento do desemprego e do avanço recente da inflação, que corroeu o poder de compra do consumidor

Em média, aqueles que conseguiram poupar guardaram R$ 502 em março – um total de R$ 14,2 bilhões poupados no mês.

64% dos que poupam escolhem a poupança como destino da reserva financeira

O indicador ainda mostra que, em março, entre aqueles que possuem reserva financeira, mais da metade (55%) fizeram uso dos recursos poupados. Os principais motivos foram o pagamento de contas da casa (13%), imprevistos (11%), despesas extras (9%), viajar (4%) e comprar uma casa ou apartamento (4%).

Considerando o destino dos rendimentos, 64% escolhem a caderneta de poupança. Em segundo lugar, 20% dos entrevistados decidem manter o dinheiro guardado na própria casa. Em seguida, aparecem os fundos de investimento (10%); a Previdência Privada (7%); o CDB (6%); e o Tesouro Direto (4%).

Segundo a economista, a escolha da modalidade deve sempre levar em conta o propósito da reserva.

Se o objetivo é de longo prazo, o poupador deve buscar o melhor rendimento. Essa busca implica, muitas vezes, disciplina e um esforço de pesquisa dos melhores tipos de investimentos existentes mas pode levar a escolhas melhores. Já se o objetivo é constituir uma reserva contra imprevistos, será mais conveniente optar por um investimento com maior liquidez, isto é, mais facilidade de saque, como a poupança e os CDBs sem carência, por exemplo

Apenas 14% poupam pensando na aposentadoria

Entre os consumidores que não pouparam em março, a principal justificativa foi a renda baixa, mencionada por 44% dos entrevistados. Os imprevistos também se destacaram, citados por 16% e outros 13% disseram estar sem renda no momento. Além destes motivos, 9% citaram o fato de não conseguirem controlar os gastos e 6% a falta de disciplina.

Se o consumidor ganha pouco, não é preciso guardar muito. O importante é criar o hábito de poupar. É isso que faz toda a diferença, pois afasta o mau hábito de gastar além do orçamento e constitui uma reserva financeira contra imprevistos

Já entre os entrevistados que conseguiram poupar, a maior parte (37%) se diz motivada por imprevistos como doenças, mortes e problemas diversos. Há também 31% que falam em garantir um futuro melhor para a família e 22% que pretendem reformar ou quitar um imóvel. A preocupação com a aposentadoria não é algo que se destaca, citada somente por 14% dos que pouparam.

Há uma priorização da realização dos planos de consumo na comparação com o preparo para a aposentadoria, mas não se deve negligenciar esse último objetivo: a boa prática financeira recomenda que se faça uma reserva para imprevistos, incluindo aí a contingência do desemprego, para a realização de sonho de consumo e outra para o longo prazo, para a aposentadoria

O indicador calcula a poupança do brasileiro baseada no dinheiro guardado no mês anterior à pesquisa, que abrangeu 12 capitais das cinco regiões brasileiras – São Paulo, Rio de Janeiro, Belo Horizonte, Porto Alegre, Curitiba, Recife, Salvador, Fortaleza, Brasília, Goiânia, Manaus e Belém, que somam, aproximadamente, 80% da população residente nas capitais.

Plano de reestruturação do Banco do Brasil atinge 781 agências em todo o país

Publicado em

Um plano de reestruturação anunciado nesse fim de semana pelo Banco do Brasil deve fechar 402 agências e transformar outras 379 em postos de atendimento bancário do total de 7,2 mil em todo o país, em 2017. A instituição financeira estima economia de R$ 750 milhões – R$ 450 milhões resultantes da reestruturação e R$ 300 milhões da redução de gastos com serviços como transporte de valores, segurança, locação e condomínios, manutenção de imóveis, entre outros – com o plano de reestruturação, que resultará no fechamento de nove mil postos de trabalho e prevê ainda um programa de incentivo à aposentadoria de 18 mil funcionários com condições de já se aposentar. Em todo o Brasil, são 109.159 funcionários.

No Maranhão, segundo dados da Federação Brasileira de Bancos (Febraban), o Banco do Brasil conta atualmente com 118 agências e 359 postos de atendimento. De acordo com o Sindicato dos Bancários do Maranhão (Seeb-MA), agências como a do bairro do Anjo da Guarda e do Hospital Materno Infantil – Centro –, em São Luís, já fecharam as portas. Ao todo, 13 agências sofrerão mudanças: cinco serão fechadas e outras oito transformadas em postos de atendimento – veja abaixo em infográfico interativo.

Lista completa de agências:

Representantes de funcionários no Conselho de Administração do Banco do Brasil (Caref) atribuem o plano de reestruturação resultante da queda da lucratividade do banco à inadimplência causada por financiamento de grandes instituições, como Oi, Sete Brasil, OAS. Entidades sindicais, como o Confederação Nacional dos Trabalhadores do Ramo Financeiro (Contraf-CUT) e Seeb-MA já articulam um calendário de enfrentamento à reestruturação do Banco do Brasil, e incentivam os funcionários a participar do Dia Nacional de Paralisações, Mobilizações e Greves, convocado pelas centrais sindicais para o dia 25 de novembro de 2016.

Comunicação aos clientes do Banco do Brasil

Por meio de nota, o banco informa ainda que o processo será precedido por ampla comunicação aos clientes em canais diversificados, como internet, SMS, aplicativo para celular, terminais de autoatendimento, além de correspondências e cartazes nas agências. Dúvidas podem ser tiradas pelos telefones 0800-729-5282 para pessoas físicas e 0800-729-5281 para empresas.

Algumas agências serão transformadas em postos de atendimento
Algumas agências serão transformadas em postos de atendimento (Foto: Valter Campanato/ABr)

O Banco do Brasil garante que o volume de operações em canais digitais é crescente. Na primeira etapa da estratégia digital do banco, 1,3 milhão de clientes já são atendidos pelo novo modelo – totalmente digital. Segundo o banco, transações bancárias feitas pelo aplicativo para celular já são feitas por 9,4 milhões de clientes; 40% do total. Outros 27% são de operações realizadas pela internet.

Ainda segundo boletim divulgado na primeira quinzena de novembro, o resultado estrutural do Banco do Brasil totalizou R$ 10,8 bilhões no terceiro trimestre de 2016, com crescimento de 8% se comparado com igual período de 2015. No ano, a margem financeira bruta alcança R$ 15,1 bilhões.

Plano de reestruturação em números

Rede de atendimento atual

  • 5.430 agências
  • 1.791 postos de atendimento
  • 7.221 unidades de atendimento no total

Reorganização

  • 402 agências serão encerradas
  • 379 agências serão transformadas em postos de atendimento
  • 51 agências com encerramento já iniciado em outubro

Rede de atendimento após a reorganização

  • 4.598 agências
  • 2.170 postos de atendimento
  • 6.768 unidades de atendimento no total

Outros canais de atendimento

  • 8.557 correspondentes bancários na rede Mais BB
  • 42.031 terminais de autoatendimento
  • 19.456 terminais do Banco 24h