terça-feira, outubro 17, 2017
Início > Projeto > No Imirante, visitei áreas de deslizamento e alertei sobre riscos da ocupação irregular do solo

No Imirante, visitei áreas de deslizamento e alertei sobre riscos da ocupação irregular do solo

No Imirante, visitei áreas de deslizamento e alertei sobre riscos da ocupação irregular do solo

Essa é talvez uma das reportagens com a qual tenha mais carinho, de dar orgulho na carreira e satisfação de poder ter alertado sobre uma situação dentro da comunidade. Poucos dias após uma adolescente de 12 anos morrer em um deslizamento de terra, fui ao local da tragédia: a Segunda Travessa Babilônia, no bairro do Coroadinho – quarto maior assentamento urbano informal do Brasil, com população estimada em 53,9 mil habitantes e 14,2 mil domicílios, segundo o Censo 2010 do Instituto Brasileiro de Geografia e Estatística (IBGE).


 Serviços e atualidades: 


A combinação de chuvas de forte intensidade, desleixo e desordem urbana criou o cenário perfeito para o caos. Mesmo a Defesa Civil identificando mais de 60 pontos de risco de deslizamento na capital maranhense à época, o que pude observar foi diversos moradores desafiando a própria sorte, despejando entulho e escavando barreiras.

Reportagem mostrou área de risco de deslizamento após tragédia
Reportagem mostrou área de risco de deslizamento após tragédia

Quando cheguei ao local, a casa, no alto de um morro, estava permanece coberta por uma lona e casas mais próximas interditadas. Um morador revelou à reportagem que, o que não deveria ser, virou rotina da comunidade. “Toda chuva, todo inverno é assim. Nessa área todinha, todo ano, existe uma tragédia”, disse.

Área de morro é risco para moradores do alto, e também para quem mora na base
Área de morro é risco para moradores do alto, e também para quem mora na base (Foto: Maurício Araya)
Maurício Araya
Jornalista graduado (DRT-MA nº 1.139), com ênfase em produção de conteúdo para web, edição de fotos e vídeos e desenvolvimento de infográficos; com passagem pelas redações do Imirante.com e G1 Maranhão; e vencedor de duas etapas estaduais do Prêmio Sebrae de Jornalismo, categoria Webjornalismo
http://www.mauricioaraya.com.br

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *