Desidratação é um risco em qualquer estação do ano; saiba quais os sinais de alerta

468x60 - Americanas

Quando se fala em hidratação, boa parte das pessoas logo pensa em verão, sol e calor. Só que não: no inverno e outono, épocas mais frias do ano, é mais fácil se esquecer de ingerir líquidos e chegar a um quadro de desidratação. Por isso, a hidratação vai além da estação do ano, como explica a nutricionista do Hospital e Maternidade São Cristóvão de São Paulo, Cintya Bassi.

Nosso organismo é composto por cerca de 70% de água e a perdemos, naturalmente, por meio da transpiração, da urina, das fezes e até da respiração, precisando a repor sempre. A falta de ingestão de água e isotônicos naturais podem levar à desidratação grave, causando tontura, desmaios, confusão mental e até o comprometimento no transporte de vitaminas e minerais no organismo

Desidratação é um risco em qualquer estação do ano
Desidratação é um risco em qualquer estação do ano

Diariamente, o organismo humano necessita de, aproximadamente, um litro a cada 35 kgs, variando conforme o clima do dia e idade da pessoa. A ingestão de líquido no decorrer do dia é imprescindível, tanto por meio de alimentos, quanto de bebidas.


Continua após a publicidade


Melhora até mesmo a aparência da pele, diminuindo a ocorrência de celulites e rugas, sem contar que beneficiam as fibras de colágeno que sustentam a pele e precisam de água para se renovarem. Os alimentos que mais contém água são legumes, frutas, leite e carnes. Porém, essa não deve ser a única forma de hidratação, também devendo ingeri-la em sua forma pura, sucos e água de coco

Uma dúvida que as pessoas costumam ter é se a água com gás também é considerada saudável: a profissional explica que, assim como a mineral, a com gás é uma importante aliada à hidratação.

A diferença entre as duas é o fato da água com gás ter adição de dióxido de carbono, o qual se consumido em grandes quantidades pode causar irritação gástrica

E mesmo quando estamos sem sede, é aconselhável beber água.

Em condições normais, a sede é um bom lembrete da necessidade de bebê-la. Porém, em situações especiais, como transpiração excessiva ou clima quente, a sensação de sede pode não acompanhar a necessidade

Desidratação e seus riscos

Quando a ingestão de água é insuficiente, o organismo pode apresentar sintomas de desidratação, como boca e pele seca, olhos fundos, cansaço, dor de cabeça, tontura, entre outros. Em casos graves, pode até evoluir para queda de pressão arterial, perda de consciência, convulsão, coma, falência dos órgãos e morte.

O organismo não é capaz de armazenar água, por isso a quantidade de líquido no corpo precisa ser constantemente reposta. Lembrando que, depois do oxigênio, a falta de água é o que mais afeta o organismo, que só suporta ficar sem água até, no máximo, dois ou três dias

Segundo Cintya Bassi, a água só é limitada em caso de hiponatremia – nível baixo de sódio no sangue, o qual é diluído ainda mais na presença de água em excesso – insuficiência renal ou cardíaca. Também durante as refeições o ideal é ingerir pouco líquido, pois, se consumirmos mais de um copo, pode dilatar o estômago.

Booking.com

Jornalista graduado (DRT-MA nº 1.139), com ênfase em produção de conteúdo para web, edição de fotos e vídeos e desenvolvimento de infográficos; com passagem pelas redações do Imirante.com e G1 Maranhão; e vencedor de duas etapas estaduais do Prêmio Sebrae de Jornalismo, categoria Webjornalismo

Visualizar publicações

Participe! Deixe o seu comentário: