segunda-feira, outubro 23, 2017
Início > Atualidades > Anuário mostra alta de despesas com segurança pública, mas queda nos gastos com policiamento no Maranhão

Anuário mostra alta de despesas com segurança pública, mas queda nos gastos com policiamento no Maranhão

Índice de mortes de policiais em confrontos também aumentou no Maranhão

Dados consolidados do 10º Anuário Brasileiro de Segurança Pública, publicado pelo Fórum Brasileiro de Segurança Pública (FBSP) nesta quinta-feira (3), mostram que o total de despesas com a segurança pública no Maranhão cresceu 5,9% entre 2014 e 2015, subindo de R$ 1,09 bilhão em 2014 para R$ 1,15 bilhão no ano seguinte. Apesar do aumento nas despesas com segurança pública como um todo, os gastos com policiamento no Maranhão tiveram queda de 14% no período.

Segundo o anuário, de 2014 para 2015, os gastos com policiamento no Maranhão caíram de R$ 145.276.677,44 para R$ 124.914.901,97, deficit de R$ 20,36 milhões. Os dados referentes aos gastos são do Ministério da Fazenda, da Secretaria do Tesouro Nacional (STN) e do Fórum Brasileiro de Segurança Pública.

No mesmo período, o Estado aumentou os gastos com Defesa Civil, de R$ 9.119.615,14 em 2014, para R$ 15.417.741,24 em 2015; alta de 69,1%.

Em 2014 e 2015, o Estado não informou gastos com o setor de informação e inteligência.

Em todo o Brasil, as despesas com segurança pública alcançaram os R$ 76.192.183.540,29 em 2015, aumento de 11,6% se comparado ao ano anterior.

Despesa per capita com segurança pública

Em 2015, segundo o 10º Anuário Brasileiro de Segurança Pública, o Maranhão gastou com segurança pública o equivalente R$ 167,33 por habitante. Em 2014, o gasto per capita foi de R$ 159,24.

Em todo o Brasil, o governo federal gastou o equivalente a R$ 372,61 por habitante com segurança pública.

“Em suma, várias são as evidências de que vivemos um colapso estrutural das políticas públicas. E essa percepção ganha força quando olhamos para as despesas efetuadas com segurança pública, na medida em que as convicções que circulam no debate público são relativizadas pelos dados. É verdade que os Estados continuam sendo os principais financiadores das políticas de segurança, mas, proporcionalmente, vale notar que os municípios são os entes que mais cresceram seus gastos na área, com quase 400% de incremento. A União, por sua vez, mesmo tendo crescido seus gastos na função segurança público, o fez por aumento das despesas com as polícias Federal e Rodoviária Federal”, destaca trecho do documento.

O que diz o governo

Até a publicação desta reportagem, o governo do Maranhão não havia se pronunciado sobre os números consolidados do 10º Anuário Brasileiro de Segurança Pública. No início da semana, por meio de sua agência de notícias, o governo destacou que “mediante a instituição do Pacto Pela Paz, um conjunto de ações na área de segurança que envolvem aquisição de equipamentos, investimentos em tecnologia, contratação de policiais e estreitamento das relações com a comunidade, houve redução em 20% do número de homicídios no primeiro semestre de 2016, em relação ao mesmo período de 2014”, e que contratou 1,5 mil policiais, comprou 450 veículos e modernizou sistemas de monitoramento e radiocomunicação da polícia.

Os investimentos, garantiu ainda o governo, resultou no aumento de 300% da média de casos elucidados em até três dias e no número de apreensões de armas e drogas, trazendo um prejuízo de mais R$ 6 milhões para o narcotráfico.

2.333 mortes violentas intencionais em 2015, no Maranhão

O 10º Anuário Brasileiro de Segurança Pública mostrou que no Maranhão, entre 2014 e 2015, praticamente todos os índices de violência aumentaram, segundo o informado pelas secretarias estaduais de Segurança Pública e/ou Defesa Social e do Instituto Brasileiro de Geografia e Estatística (IBGE). Em 2015, foram registradas 2.333 mortes violentas intencionais, uma taxa de 33,8 para cada 100 mil habitantes, acima do índice nacional de 28,6 mortes. É pouco mais de seis mortes por dia. Em 2014, foram registradas 2.158 mortes violentas, 175 a menos que no ano seguinte.

Brasil tem mais mortes violentas do que a Síria em guerra, mostra anuário
Brasil tem mais mortes violentas do que a Síria em guerra, mostra anuário (Foto: Fernando Frazão/Agência Brasil/Fotos Públicas)

“Os números (…) são a tradução da enorme dificuldade em se reconhecer o drama da violência e alça-lo à condição de uma das pautas centrais do país. A violência, seja ela cometida na e pela sociedade ou aquela cometida pelo próprio Estado, é muitas vezes legitimada como resposta ao crime e há uma enorme distância entre discursos e práticas; entre o reconhecimento do problema e sua conversão em medidas concretas para o seu enfrentamento”, enfatiza a FBSP em trecho do anuário.

Gostou do conteúdo? Então, deixe seu comentário; ele é muito importante para mim. Envie sua sugestão de novos assuntos pelo Messenger. Curta e siga o Blog do Maurício Araya no Facebook, Twitter e Instagram; e inscreva-se no canal no YouTube.


000000
Maurício Araya
Jornalista graduado (DRT-MA nº 1.139), com ênfase em produção de conteúdo para web, edição de fotos e vídeos e desenvolvimento de infográficos; com passagem pelas redações do Imirante.com e G1 Maranhão; e vencedor de duas etapas estaduais do Prêmio Sebrae de Jornalismo, categoria Webjornalismo
http://www.mauricioaraya.com.br