quinta-feira, outubro 19, 2017
Início > Atualidades > Brasil > Brasileiros estão mais otimistas com finanças pessoais, constata pesquisa da CNI

Brasileiros estão mais otimistas com finanças pessoais, constata pesquisa da CNI

Brasileiros estão mais otimistas com finanças pessoais, constata pesquisa da CNI

Dados divulgados nesta sexta-feira (28) pela Confederação Nacional da Indústria (CNI) mostram aumento de 1,3% no Índice Nacional de Expectativa do Consumidor (Inec) em outubro de 2016, comparado ao mês anterior. O índice revela um otimismo dos consumidores brasileiros sobre as finanças pessoais. No período, o Inec alcançou 104,4 pontos. Essa é a quarta alta consecutiva do indicador, e comparado a igual mês de 2015, o crescimento foi de 7,3%; ainda assim, o índice ficou 4,1% abaixo da média histórica (108,9 pontos).

A pesquisa foi realizada pela CNI em parceria com o Ibope, e ouviu 2.002 pessoas em 143 municípios em todo o Brasil entre os dias 13 e 17 de outubro de 2016.

Segundo a confederação, o aumento do índice é resultado, especialmente, da melhora do otimismo dos brasileiros em relação à renda pessoal. O indicador de expectativa sobre a renda pessoal cresceu 5,2%, em comparação a setembro de 2016; o de expectativa de endividamento cresceu 0,6%; e o de situação financeira teve alta de 1,2% em outubro, comparado a setembro.

Quanto maior o índice, explica a CNI, maior é o número de pessoas que espera a melhora da renda e da situação financeira a redução do endividamento.

Cautela

As expectativas sobre a inflação e o desemprego também melhoraram, de acordo com a CNI, mas os brasileiros ainda estão cautelosos com as compras de bens de maior valor, como móveis, carros e eletrodomésticos.

Brasileiros ainda estão cautelosos com compras de maior valor, como de carros
Brasileiros ainda estão cautelosos com compras de maior valor, como de carros (Foto: Valter Campanato/Agência Brasil/Fotos Públicas/Arquivo)

O indicador de expectativas de compra de maior valor subiu 0,8% em outubro na comparação com setembro. No entanto, a queda em relação a outubro do ano passado é de 4,8%.

Segundo a avaliação da CNI, isso revela que, apesar da melhora na confiança dos consumidores, eles ainda não se sentem seguros o suficiente para aumentar o consumo de bens, o que envolve comprometimento de maior parte da renda e por mais tempo.

Gostou do conteúdo? Então, deixe seu comentário; ele é muito importante para mim. Envie sua sugestão de novos assuntos pelo Messenger. Curta e siga o Blog do Maurício Araya no Facebook, Twitter e Instagram; e inscreva-se no canal no YouTube.


000000
Maurício Araya
Jornalista graduado (DRT-MA nº 1.139), com ênfase em produção de conteúdo para web, edição de fotos e vídeos e desenvolvimento de infográficos; com passagem pelas redações do Imirante.com e G1 Maranhão; e vencedor de duas etapas estaduais do Prêmio Sebrae de Jornalismo, categoria Webjornalismo
http://www.mauricioaraya.com.br