Com El Niño, cenário climático é incerto

Automotivo 468x60

Muita gente já percebeu que o clima está mudando: chuvas fora do padrão, estiagens cada vez mais severas, calor mais intenso, e por aí vai. E muito tem se ouvido sobre o fenômeno El Niño nos últimos dias. Dizem os cientistas que ele pode ser o mais intenso desde 1997. O Serviço Nacional de Meteorologia dos Estados Unidos já deu a sentença: esse é o mais forte já registrado. Os modelos climáticos apontam para um cenário nada agradável nos próximos meses.

O fenômeno se caracteriza por um aquecimento anormal das águas do oceano Pacífico na região da linha do Equador. O resultado desse aquecimento é a mudança nos padrões do clima em todo o planeta, como explica a meteorologista do Núcleo Geoambiental (Nugeo) da Universidade Estadual do Maranhão (Uema), Andréa Cerqueira, ao MauricioAraya.com.br.


Continua após a publicidade


O El Niño é o aquecimento anormal das águas superficiais do bacia equatorial do oceano Pacífico e esse aquecimento altera a circulação atmosférica logo acima da região em questão e que por consequência ‘bagunça’ alguns padrões de clima em muitos locais do globo

Nessa ‘confusão’ provocada pelo El Niño, o Nordeste pode registrar seca mais severa; e a região sul do país, chuvas com inundações. Em outras regiões do globo, os invernos podem ser chuvosos e atividades como a pesca (como no próprio Pacifico, que depende da temperatura baixa para se desenvolver) podem ser duramente afetadas.

No Maranhão, explica Andréa, o El Niño influencia para que as chuvas fiquem abaixo da média histórica, assim como aconteceu no primeiro semestre de 2015 em grande parte do Estado, como mostra o gráfico do Centro de Previsão de Tempo e Estudos Climáticos (CPTEC):


Continua após a publicidade


CPTEC / Inpe

Próximos meses
Até outubro de 2015, o Nugeo acredita que o cenário de chuvas fique dentro da climatologia para a época, ou seja, com poucas chuvas no Maranhão. No período, as chuvas são menos frequentes, as temperaturas do ar mais elevadas e baixos valores de umidade relativa do ar, e essa composição é ideal para o aumento do número de queimadas.

Para 2016, o cenário é incerto.

Shortinhos 468 x 60

Jornalista graduado (DRT-MA nº 1.139), com ênfase em produção de conteúdo para web, edição de fotos e vídeos e desenvolvimento de infográficos; com passagem pelas redações do Imirante.com e G1 Maranhão; e vencedor de duas etapas estaduais do Prêmio Sebrae de Jornalismo, categoria Webjornalismo

Visualizar publicações